terça-feira, 12 de outubro de 2010

Sentindo a ventania .


Digo olá,



mas não vou dizer que está tudo bem por aqui, como de costume. Me senti presa hoje, mais uma vez. A solidão me aprisionou. Não tenho o costume de ficar só, e quando fico sinto-me apunhalada pelas costas, como se tivessem cortado uma parte da minha asa para me impedirem de voar livremente sentindo o frescor da água e o cheiro das pétalas das mais lindas flores. É normal sentir que tudo está doce e com o tempo o doce vai enjoando e ficando amargo. Tem pessoas que enjoam por estarem sempre com companhia. Mas as borboletas, bem... Pra nós é totalmente o oposto. Pelo menos pra mim. Não gosto dessa coisa de solidão, na verdade gosto. Mas a solidão se torna inaceitável quando sempre está lado a lado comigo. E vocês? Os seres humanos, tão cheios de atitude, mas tão insensatos. Amam, sofrem, mas continuam amando. Erram e na maioria das vezes continuam errando. Tão sós, tão amados e odiados. Queria que você me entendesse, sou sem companhia e tenho arranjá-las aqui. Embora com tantas diferenças, queria poder fazê-los compreender o poder dos sentimentos de uma borboleta. Embora pequena, eu sinto. Embora sozinha, sou livre. Talvez você perceba isso antes mesmo de eu explicar. Ou depois mesmo de sentir a liberdade voando entre cada palavra que você lê. Me sinto presa. Mas sou livre. Ou pelo menos é o que eu tento aparentar.

Vou tentar continuar, descobrindo o mundo por aí.







Um sopro de liberdade e ternura,



Borboleta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário